Login




Designed by:
SiteGround web hosting TMontec
Resistência ao preservativo ameaça 72%

Nos últimos dez anos triplicou o número de mulheres, nessa faixa etária, infectadas pelo HIV. Para essa geração, CAMISINHA estava associada à prevenção de gravidez


 


Aos 47 anos, a psicóloga Regina Cohen descobriu que tinha sido infectada pelo vírus HIV durante uma relação eventual. Onze anos depois, aos 58, ela é exemplo de como o número de novos casos de AIDS, nos últimos dez anos, triplicou entre as mulheres nessa faixa etária. Em 2006, 1.800 casos foram identificados neste grupo. Dados parciais de pesquisa de comportamento sexual dos brasileiros, realizada pelo Ministério da Saúde, em 2008, indicam que 72% das brasileiras nessa faixa etária não usam CAMISINHA com parceiros casuais. O descaso com a prevenção está relacionado à dificuldade em negociar o uso do PRESERVATIVO com o parceiro e a falsa percepção de que as mulheres acima dos 50 anos estão imunes ao vírus.


 


A pesquisa de comportamento revelou ainda que mais da metade delas (55,3%) é sexualmente ativa. O problema é na hora de se prevenir. Enquanto o uso regular de CAMISINHA nas relações casuais no grupo de 15 a 49 anos fica em 47,5%; nos mais velhos, esse índice é de apenas 34,8%. O recorte por sexo mostra que o público feminino está em situação mais vulnerável. Só 28% das "cinquentonas" e mais velhas adotam a prevenção. Entre os homens, o número sobe para 36,9%.


 


Regina lembra que, à época, não tinha a menor preocupação com o uso de CAMISINHA. "Simplesmente acreditava que os meus parceiros tinham uma aparência saudável e aquilo era suficiente para eu nem tocar no assunto". A confirmação da doença veio após ela ter sido vítima de pneumonias e de uma série de infecções. "Nem os médicos achavam que eu podia estar com AIDS. Eu já tinha perdido 26kg e ninguém sugeriu um exame de HIV. O teste foi feito apenas quando fui internada às pressas num quadro crescente e gravíssimo".


 


A coordenadora do Programa Nacional de DST e AIDS, do Ministério da Saúde, MARIÂNGELA SIMÃO, avalia que essas mulheres iniciaram a vida sexual num período em que a AIDS não era conhecida. "De maneira geral, está no imaginário feminino que a CAMISINHA previne a gravidez. As mulheres não percebem que, em qualquer idade, elas estão vulneráveis a uma série de doenças sexualmente transmissíveis".


 


Mais de 35 mil casos de AIDS são diagnosticados no Brasil a cada ano. Entre as mulheres acima dos 50 anos, a taxa de incidência é 11,6 casos por 100 mil habitantes. Em 1996, o índice era de 3,7 casos. Estima-se que, pelo menos, 255 mil brasileiros estejam infectados pelo vírus da AIDS e ainda não tenham feito o exame. "Em cerca de 40% dos casos, o diagnóstico da infecção é feito de forma tardia. Isso retarda o acompanhamento e compromete ainda mais o estado clínico do paciente", explica MARIÂNGELA SIMÃO.


 


 


 


 


 Fonte: Umuarama Ilustrador

 
Viva a Vida, Powered by Joomla!; free resources by TMontec website hosting